PUBLICAÇÕES

Desde 2008, os membros da plataforma quandonde intervenções urbanas em arte vêm publicando seus estudos em revistas especializadas, anais de eventos, dissertações, teses e livros.
.
Em busca de fazer circular esses escritos pr'além das publicações originais, estamos disponibilizando-os aqui em nosso site. Pretendemos que essa seja uma maneira de propor diálogos e dividir o que temos pensado - não exatamente 'sobre', mas - 'com' o que temos feito, a quem queira aqui se aventurar.

Sejam todes bem-vindes!

VÁRIO: UMA INTERVENÇÃO URBANA PARA O FIM DO MUNDO

Ensaio publicado na Revista Científica/FAP, [S.l.], nov. 2020. p.74-88. Neste ensaio autoetnográfico, Diego Baffi discute o contexto de criação e execução da intervenção urbana Canto para dormir! (concebida e apresentada em dezembro de 2017 em cinco cidades da região metropolitana de Lisboa, Portugal).

CARTAS ENTRE ARTISTAS PESQUISADORAS PROFESSORAS

Uma correspondência por carta entre quatro artistas pesquisadoras professoras – Estela Villegas, Inês Saber, Juliana Liconti e Raquel Purper – publicada na Revista DAPesquisa, v.15, out. 2020, p. 1-19. Nas cartas elas relatam experiências, incertezas, dificuldades e desejos sobre estratégias de ensino-aprendizagem nas artes performativas.

PERFOGRAFIA E ESCRITA SITUADA: CAMINHOS PARA UMA PESQUISA EM ARTE

Uma escrita situada publicada na Revista DAPesquisa, v.15, out. 2020, p. 1-17, na qual Juliana Liconti apresenta um modo de pesquisa – perfografia – e escrita em arte, buscando colocá-los em prática a partir de uma reparagem das condições de possibilidade da situação.

PRECONCEITUOSO, GRAÇAS A DEUS!: A INTERVENÇÃO URBANA E A ESCRITA ENSAÍSTICA COMO REINVENÇÃO DE SI

Ensaio publicado na Revista DAPesquisa, v.15, out. 2020, p.01-19. Nele, Diego Baffi apresenta as bases históricas e conceituais da escrita ensaística e trata da experiência na construção site specific da intervenção urbana em arte Aguarda-te Escuridão (concebida e realizada em setembro de 2018 em Lomé, Togo).

PERFOGRAFIA: A PRÁTICA DA PESQUISADORA-PERFORMER

Resumo expandido publicado no livro A Pós-graduação em Artes: entre expectativas e realidades (2019, p.119-123), organizado por Raphael Cassou e Carin Louro, que também está disponível nos Anais XIX Colóquio PPGAC UNIRIO. Nele, Juliana Liconti aborda o conceito de perfografia, junção entre performance e cartografia, compartilhando os percursos que têm trilhado enquanto pesquisadora-performer.

PEDAGOGIAS PERFORMATIVAS: UMA CARTOGRAFIA

Resumo expandido publicado no Caderno de Resumos do 9º SPA PPGAC/ECA-USP (2019, p.178-179). Neste texto, Juliana Liconti apresenta o que tem entendido por pedagogias performativas – práticas que realizam operações da arte da performance -, além de explicar sinteticamente a abordagem metodológica da pesquisa – a perfografia.

Ensaio poético

ENQUANTO TEUS OLHOS DESLIZAM NESSAS LINHAS...

Ensaio publicado no livro pedras 18 - em que mundo queremos viver? práticas com pessoas e lugares de lisboa (2018, p. 44-46), organizado por Bernardo Bethônico e Ana Estevens. Nele, Diego Baffi faz um breve relato poético de sua experiência na realização da ação Canto para dormir! realizada em 2017/2018 em Lisboa.

Intervenção urbana

POGNOMETRIA E INTERVENÇÃO URBANA: UM EXERCÍCIO DE VARIÁVEIS

Ensaio publicado na Revista Boitatá

do GT de Literatura Oral e Popular da ANPOLL, v. 13, n. 25, jan-jun, 2018, p. 259-292. Nele, Diego Baffi convida a uma viagem compartilhada pela experiência de criação em intervenção urbana em arte em três cidades francesas. 

Palhaçaria itinerante

OCUPAR AS RUAS: QUE PALHAÇADA É ESSA?

Ensaio publicado no livro Ideias de gerico: ensaios sobre o cômico (2018, p. 81-101), organizado por Sergio Nunes Melo. Nele, Diego Baffi delinea a técnica da Palhaçaria Itinerante e do espaço público de Campinas (SP).

Palhaçaria paranaense

COMPANHIA DOS PALHAÇOS: UM CAPÍTULO PARANAENSE DA HISTÓRIA DO PALHAÇO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO

Ensaio publicado no livro À Sombra do Vampiro: 25 anos de teatro de grupo em Curitiba (2018, p.353-383), organizado por Walter Lima Torres. Criado a partir das memórias dos seus protagonistas (Eliezer, Felipe, Milene, Nathalia, Rafael, Silvestre) e arquivo documental, Diego Baffi propõe uma encenação do que pode ter sido a história desse grupo que deixou o público paranaense definitivamente em companhia dos palhaços.

Performance relacional; cura através da arte

TRAGA SEUS PROBLEMAS PARA A ARTE! PERFORMANCES DE ARTE RELACIONAL COMO CURA

Artigo publicado no livro Performance como Revolução dos Afetos (2016, p. 177-194), de Tania Alice, também pode ser acessado na revista Aparte XXI - v.7, revista do TUSP (2 sem. 2017). Neste texto, Diego Baffi e Tania Alice discutem a possibilidade de performances e intervenções urbanas serem ignições de processos de cura.

errância urbana; deriva; performance relacional

PISTAS PARA UMA POÉTICA DOS ACIDENTES

Dissertação de Mestrado de Juliana Liconti (2016, 160 p.), realizada no programa de pós-graduação em teatro da UDESC, sob orientação de Sandra Meyer. O texto relata uma busca por dar passagem aos afetos, para tanto, cruzam-se temas como deriva (errância urbana), composição, Modo Operativo AND, invenção, performance e políticas de subjetividade.

Palhaçaria itinerante; intervenção urbana

DESTINO: POESIA - TENTATIVAS DE FAZER ARTE NA CONDIÇÃO DE ESTRANGEIRO

Ensaio publicado na revista eletrônica Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 2, n. 3, p. 203-218, Jul-Dez.,2016. Nele, Diego Baffi investiga possibilidades de criação em intervenção urbana a partir do status de estrangeiro.

quandonde; intervenção urbana

quandonde: HAITI 2015, UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EM INTERVENÇÃO URBANA

Entrevista publicada na revista O Mosaico n.12 (2015, p. 89-103), na qual Diego Baffi é entrevistado por Lúcia Helena Martins e comenta sobre a plataforma quandonde e o processo de criação do documentário média metragem "Saudade: pon.te para o Haiti".

intervenção urbana; jogos

OS MECANISMOS DOS JOGOS APLICADOS À INTERVENÇÃO URBANA

Artigo resultante da pesquisa realizada em 2015/2016 através do Programa de Iniciação Científica da Universidade Estadual do Paraná – UNESPAR. Nesse texto, Thiago Roliude, orientado por Diego Baffi, discorre sobre a utilização de mecanismos oriundos dos jogos em obras de intervenção urbana, nas quais o público é convidado a participar co-ativamente.

intervenção urbana; quandonde

quandonde (E OUTRAS) INTERVENÇÕES URBANAS EM ARTE: POR UM ESTUDO INDISCIPLINAR E NÃO ARTÍSTICO

Artigo publicado no livro Arte na Atualidade (2015, p.49-64), organizado por Desirée Paschoal de Melo, Daiane S. S. da Cunha, Erica Dias Gomes e Márcia Cristina Cebulski. Nele, Diego Baffi trata de princípios prático-teóricos e procedimentos metodológicos que orientam a prática da plataforma quandonde.

Estética relacional; intervenção urbana; quandonde

EXPERIMENTAÇÕES NA FEIRA DE TROCAS POÉTICAS

Resumo expandido resultante da pesquisa realizada em 2015 através do Programa de Iniciação Científica da Universidade Estadual do Paraná – UNESPAR. Renata Campos Fernandes, orientada por Diego Baffi, analisa suas experiências como interventora da ação Feira de Trocas Poéticas, influenciada pelas reflexões sugeridas pelas obras Estética Relacional, de Bourriaud, e Economia das Trocas Simbólicas, de Bourdieu.

intervenção urbana; quandonde

QUANDONDE - INTERVENÇÕES URBANAS EM ARTE: PROCESSOS ARTÍSTICOS, POÉTICOS, POLÍTICOS

Monografia de Cassiana dos Reis Lopes, defendida no ano de 2014, como requisito para conclusão do curso de Ciências Sociais da Universidade Federal do Paraná. Nela, a autora faz uma etnografia e fotografa a quandonde a partir do acompanhamento das atividades realizadas desde o final de 2012 até o início de 2014.

intervenção urbana

AO OLHAR DESCAOTSUMADO – O ENCONTRO ENTRE O STATUS DE ESTRANGEIRO E A INTERVENÇÃO URBANA

Resumo expandido publicado no Caderno de Resumos do 5º SPA PPGAC/ECA-USP (2015, p.127 -128). Nele, Diego Baffi aborda os princípios norteadores de sua pesquisa de doutorado sobre o status de estrangeiro.

deriva; errância urbana; atenção

UM TENSIONAMENTO DOS MÚLTIPLOS OLHARES: DA OBSERVAÇÃO À REPARAGEM

Comunicação oral no VIII Congresso ABRACE, ocorrido em Belo Horizonte (2014), no qual Juliana Liconti tensiona as noções de observação e reparagem, relacionando-as a uma dupla capacidade sensorial - cortical e subcortical, apresentada por Godard e Rolnik.

deriva; errância urbana; performance

DESACOSTUMAR O OLHAR: UM SALTO PARA A DESOBVIEDADE

Resumo expandido publicado nos Anais 22º EAIC/ 3º EAITI, 2013, ocorrido em Foz do Iguaçu (2013), no qual Juliana Liconti, orientada por Francisco Gaspar, relata a sua busca ética-estética-política por desacostumar o olhar por meio do procedimento de deriva.

passivatividade

PASSIVATIVIDADE: EXERCÍCIO DA DIFERENÇA NA CONSTRUÇÃO DE UMA ÉTICA CÊNICA

Comunicação oral apresentada no V Colóquio do Centro de Estudos MARGENS: Interdisciplinaridade, diversidade, multiplicidade nas Artes: nucleações em torno de Suzi Frankl Sperber, ocorrida no IEL-UNICAMP (2013). Nela, Diego Baffi conceitua o termo Passivatividade a partir de sua inserção na prática das Artes Cênicas.

Microdrama; cena não verbal; improvisação; metáfora

MICRODRAMA: UMA EXPERIÊNCIA DE INSTABILIDADE

Artigo publicado na revista O Mosaico, n.7 (2012, p. 94-107), no qual Juliana Liconti, orientada por Ana Fabrício, relata o processo de criação de uma cena microdramática, a partir da interlocução com autores das ciências cognitivas como Maturana e Varela.

intervenção urbana

ESCRITA EM ARTE E INTERVENÇÃO URBANA? PENSANDO A GRAFIA DA AÇÃO CÊNICA NO ESPAÇO URBANO

Resumo expandido publicado nos Anais do VII congresso da ABRACE, ocorrido em Porto Alegre (2012), no qual Diego Baffi aborda Diego Baffi aborda o início das pesquisas da quandonde, durante a qual a intervenção urbana aparece como uma prática de modos de escrita/construção da cidade.

Microdrama e cena

MICRODRAMA: UMA EXPERIÊNCIA DE INSTABILIDADE

Resumo expandido publicado nos Anais do 7º Seminário de Pesquisas em Artes da Faculdade de Artes do Paraná (2012, p. 278-281), no qual Juliana Liconti, orientada por Ana Fabrício, sintetiza o processo de criação de uma cena microdramática não verbal, que investiga a criação corporal como signo metafórico.